Um país se faz com homens, livros e professores - Editorial dia do Professor

Professores são super-heróis 

Um país se faz com homens, livros e professores

Dizer que um país se faz com homens, livros e professores, a princípio parece pleonasmo, mas com certeza, não. Professores não são homens, são super-heróis!
Na Sociedade Líquida, de Zygmunt Bauman, o magistério perpetuou-se como um desafio. Entretanto, essa labuta vai muito além da fluidez e da flexibilidade da sociedade e dos jovens. O trabalho do professor no Brasil – classificado de penoso, segundo a Organização Mundial da Saúde – confirma a cadência que conhecemos: baixa remuneração, falta de reconhecimento da profissão, indisciplina dos alunos e até mesmo atos de violência contra os educadores. Paralelamente, o número de educadores diminui e a falta de políticas que valorizem os professores, persiste.

A tecnologia que deveria ser aliada ao processo de aprendizagem, tornou-se avassaladora, o recurso didático ficou em ultima instância, dando lugar as redes sociais e aos jogos.
As escolas, que deveriam ser emancipatórias, por vezes, remontam um cárcere, colocando em risco às vidas de professores e alunos.
A máxima de Immanuel Kant, "é no problema da educação que assenta o grande segredo do aperfeiçoamento da humanidade", nos mostra o direcionamento para ressignificar a sociedade.

Ao passo que valorizarmos nossos educadores e o setor da educação, nosso aperfeiçoamento é incontestável.

Leia, também, a descrição de Rodrigo Diniz.